Pular para o conteúdo principal

Enchendo as Redes (I)


Simão Pedro subiu e puxou a rede para terra, cheia de cento e cinqüenta e três grandes peixes e, sendo tantos, não se rompeu a rede”. (João 21:11)


Outro dia participei de uma tarefa um pouco atípica da minha rotina, juntamente com alguns irmãos, passamos uma rede de um lado a outro em um dos lagos na Chácara Betesda, foi muito engraçado, pé atolando, resvalando, peixe passando por cima e por baixo da rede, uma festa. Nesta atividade a minha expectativa inicial era que iríamos pegar muitos peixes, mas na verdade conseguimos pegar na rede algumas carpas.
Esta experiência foi um pouco diferente do que os discípulos tiveram, eles haviam visto Jesus ressuscitado, estavam juntos e Pedro resolve: “Vou pescar” e os outros decidem acompanhá-lo: “Vamos nós também!”. O fato é que estava amanhecendo e eles não haviam pego nada, quando o Senhor pergunta a eles: “Filhos, vocês tem o que comer?” e eles respondem: “Não”, então Jesus diz: “Lançai a rede para o lado direito do barco, e achareis”, e eles assim o fizeram e a rede se encheu de tal maneira que não conseguiam tirá-la, mas quando a tiram ela não se rompe.
Acredito que muitos pescadores gostariam de ter esta experiência, é muito bom ter êxito em uma pescaria, mas a que poderíamos comparar uma pescaria bem sucedida? O que seria encher as redes? Percebemos que o sucesso iniciou na atitude de Pedro em ir pescar, a sua postura influencia os outros a também irem pescar, gosto de pensar que atitudes mudam a realidade, decidimos fazer algo e coisas acontecem. Você tem sido uma pessoa decidida?
Quero desafiar você a encher sua rede com atitudes: Vou orar! Vou ser atencioso com meus filhos! Vou interceder pela minha família! Vou honrar meus pais! Vou ser mais participante na comunidade! Vou amar mais! Vou fazer a diferença! Vou entregar minha vida a Jesus!

Rev. Valdomiro Cardoso Filho

pastornanet.blogspot.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sardes - Igreja Morta

Ser discípulo de Cristo é um privilégio. Saber que Deus nos escolheu para gerar o caráter de Seu Filho em nós e tornar-nos semelhantes a Ele deve encher nosso coração de alegria e santo temor.
Infelizmente, como a Igreja de Sardes que é conhecida como a “Igreja Morta”, alguns se enveredam por esse caminho e se tornam mortos, mesmo frequentando templos, liderando grupos, participando de eventos e outros ritos religiosos.
O processo não é tão complexo. Basta uma decepção com alguém ou alguém (pessoa ou instituição) para ter início a queda ladeira abaixo. O clamar pela intervenção divina, sem resposta, leva a agonia e a decisões precipitadas.
Então a pessoa resolve fazer as coisas pela própria força e concebe o pensamento maligno que suas estratégias são melhores do que as de Deus. Seu coração se enche de soberba a ponto de não poder ser questionada e tudo passa a girar em torno dela. A pedra no túmulo são as máscaras usadas para camuflar erros, para atrair e afastar pessoas, para manter …

A Páscoa que Precisamos

“Expurgai o fermento velho, para que sejais massa nova, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, já foi sacrificado.” (1 Coríntios 5.7)

A festa da Páscoa é a comemoração cristã mais antiga, é o evento principal do cristianismo e isto é devido a termos nela envolvida a Paixão de Cristo, sua Crucificação e Ressurreição. Páscoa é o “Domingo dos Domingos” para os cristãos, mas a sua marca foi adotada por Jesus através da tradição judaica, pois a Páscoa para o judeu era uma ordenança do Antigo Testamento, onde temos a libertação do povo do Egito e sua caminhada para a Canaã. Nesse evento a lembrança é um tempo de sofrimento e escravidão egípcio e ainda o grande livramento da morte dos primogênitos daqueles que tinham o sangue do carneiro sobre o umbral de suas casas. O grande livramento e libertação que o povo judeu teve, ficou marcado na sua história e Deus estabeleceu a Páscoa judaica para que eles se lembrassem deste episódio e permanecessem firmes nos propósitos divinos…

Porque Oramos?

Os crentes não oram com a intenção de informar a Deus a respeito das coisas que ele desconheça, ou para incitá-lo a cumprir o seu dever, ou para apressá-lo, como se ele fosse relutante. Pelo contrário, eles oram para que assim possam despertar-se e buscá-lo, e assim exercitem sua fé na meditação das suas promessas, e aliviem suas ansiedades, deixando-as nas mãos dele; numa palavra, oram com o fim de declarar que sua esperança e expectativa das coisas boas, para eles mesmos e para os outros, está só nele. A oração não é feita para nos exaltarmos diante de Deus, nem para que seja apreciado o que há em nós, mas para confessarmos a nossa miséria e para fazermos sentida lamentação de tudo o que pesa sobre nós, como uma criança faz a seu pai. Ao contrário, pois, de causar temor, o senso de miséria pessoal deve antes ser como uma espora ou como um aguilhão que nos incite à oração.
Como somos advertidos pelo exemplo do profeta, que orou a Deus pedindo-lhe: “Compadece-te de mim, Senhor; sara m…