Pular para o conteúdo principal

As Palavras de Jesus

Jesus nasceu num estábulo, o seu berço foi uma manjedoura, natural de Belém de Eufrata, uma cidade insignificante, cresceu em Nazaré, um lugar também sem expressão, foi criado por uma família humilde. Estas descrições poderiam justificar um final triste para alguém que começou a vida com muitas dificuldades.
Mas quem é Jesus? Um profeta? Um homem que foi tremendamente usado por Deus e desprezado pelos homens? Um mártir?
A resposta para esta pergunta pode vir da própria Bíblia que apresenta Jesus como o filho unigênito do Pai. Jesus é o arquiteto de toda a criação, ele é eterno. A Bíblia diz que todas as coisas foram criadas por intermédio dele e, sem ele, nada do que foi feito se fez. A vida estava nele e a vida era a luz dos homens. O verbo estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu e os seus não o receberam. O Verbo se fez carne e habitou entre  nós cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do Unigênito do Pai (Jo 1.1-14). Jesus não julgou como usurpação o ser igual a Deus, antes a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até a morte e morte de cruz (Fl 2.5-8) Mas porque ele, o todo poderoso, se submeteu a uma situação tão pequena?
A Palavra de Deus diz que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm 3.23). O homem e a mulher foram feitos a imagem e semelhança de Deus, ou seja o reflexo de Deus, mas quando a humanidade escolheu pecar contra Deus eles perderam a glória, o reflexo de Deus, a morte reinou sobre a humanidade, morte espiritual que está cada vez mais levando as pessoas a degeneração, causa de muitos suicídios, homicídios, incestos, corrupção, etc...
Jesus veio para destruir as obras do diabo, pois o mesmo veio roubar, matar e destruir, e Jesus veio para salvar o pecador da morte, João Batista quando viu Jesus gritou: “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29)
Jesus veio nos livrar do pecado, pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna (Rm 6.23), e todo aquele que recebe Jesus como Senhor e salvador, aquele que com a sua boca confessa que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo, pois a todos quanto o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus.
Jesus veio limpar o eirado, ajuntar a palha seca e levar ao fogo para ser queimado, ou seja, veio exterminar o pecado, livrando da morte o pecador.
Quando Jesus está crucificado, ele intercede pela humanidade, Adão e Eva crucificaram as palavras de Deus, ouvindo e fazendo a sugestão do diabo, agora novamente o Verbo está sendo crucificado, mas o Verbo intercede: “Pai perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”, esta oração teve o seu cumprimento quarenta dias mais tarde, onde Pedro está pregando, as pessoas que haviam crucificado Jesus estavam em Jerusalém e ouviram Pedro pregar: Arrependei-vos e batizai-vos e vossos pecados serão perdoados”. Mesmo a vocês que literalmente crucificaram o Deus todo poderoso, mesmo a vocês que colocaram aquela coroa de espinho na sua fronte, mesmo a vocês que cuspiram no Senhor, mesmo a vocês que lançaram sobre ele chibatadas avassaladoras, mesmo a vocês que esbofetearam o rosto do Senhor, porque Ele os perdoou ainda na cruz, Pai perdoa-lhes, Pai perdoa-lhes.
Jesus passou tudo isto por sua causa que muitas vezes escolheu o pecado ao invés da sua graça, mas a graça de Deus te alcança através de Jesus Cristo, e rios de  água viva transbordarão em seu coração, e você poderá dizer: eu nasci de novo, sou nova criatura, filho de Deus, filho da aliança eterna, filho da promessa.
Jesus ao terceiro dia ressuscitou, mas Ele é somente a primícia, pois todos aqueles que o recebem como Senhor e Salvador, também irão ressuscitar. Deus o exaltou de tal maneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda a língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai (Fl 2.9-11).
Ao lado de Jesus na cruz havia dois homens, dois malfeitores, um à direita e outro à esquerda. Um blasfemou contra Jesus dizendo que se ele era Deus mesmo que  descesse daquela cruz, e o outro disse: lembra-te de mim quando entrares no seu reino, e reconheceu que Jesus não merecia estar ali, pois não tinha pecado.
Qual dos dois você se identifica, o que protege o seu pecado e não se arrepende mesmo percebendo que está crucificado nele, que é o pecado que te colocou aonde você está e que somente Jesus pode tirá-lo desta condenação, pois ele morreu no seu lugar.
Vós que tem sede, venham as águas, e se você souber quem Jesus realmente é de ti fluíram águas vivas, ele é o caminho, a verdade e a vida. A Bíblia diz que não há nenhum outro mediador entre Deus e os homens senão Jesus, foi a Jesus que os apóstolos referendaram a salvação, pois Jesus é o princípio e o fim, é o único digno de abrir o Livro da Vida.
Entregue a sua vida neste momento para Jesus e recebe-o como seu Senhor e Salvador.

Pastor Valdomiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Páscoa que Precisamos

“Expurgai o fermento velho, para que sejais massa nova, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, já foi sacrificado.” (1 Coríntios 5.7)

A festa da Páscoa é a comemoração cristã mais antiga, é o evento principal do cristianismo e isto é devido a termos nela envolvida a Paixão de Cristo, sua Crucificação e Ressurreição. Páscoa é o “Domingo dos Domingos” para os cristãos, mas a sua marca foi adotada por Jesus através da tradição judaica, pois a Páscoa para o judeu era uma ordenança do Antigo Testamento, onde temos a libertação do povo do Egito e sua caminhada para a Canaã. Nesse evento a lembrança é um tempo de sofrimento e escravidão egípcio e ainda o grande livramento da morte dos primogênitos daqueles que tinham o sangue do carneiro sobre o umbral de suas casas. O grande livramento e libertação que o povo judeu teve, ficou marcado na sua história e Deus estabeleceu a Páscoa judaica para que eles se lembrassem deste episódio e permanecessem firmes nos propósitos divinos…

Quentes, nem frios, muito menos mornos!

“Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente!” (Apocalipse 3.15)
Esta é a sétima igreja, Laodicéia, uma comunidade que recebe algumas advertências, principalmente com relação as suas prioridades. Ela deve querer adquirir valores do Reino de Deus, a começar com arrependimento, reconhecendo que precisa do Senhor...sou miserável, digna de compaixão, pobre, cega, e estou nua. (vv 17b) O apóstolo Paulo faz uma referência semelhante com o conceito que ele tem de si mesmo... “Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal.(1Timóteo 1.15). Esta igreja estava com o “nariz empinado” dizendo: “Estou rica, em tudo sou enriquecida e não preciso de nada” (vv 17a). Muitas pessoas tem posturas semelhantes, tem dificuldades em reconhecer suas falhas, limitações e pecados. Há aqueles que estão totalmente afastados de Deus em seus corações e atitudes (fri…

Porque Oramos?

Os crentes não oram com a intenção de informar a Deus a respeito das coisas que ele desconheça, ou para incitá-lo a cumprir o seu dever, ou para apressá-lo, como se ele fosse relutante. Pelo contrário, eles oram para que assim possam despertar-se e buscá-lo, e assim exercitem sua fé na meditação das suas promessas, e aliviem suas ansiedades, deixando-as nas mãos dele; numa palavra, oram com o fim de declarar que sua esperança e expectativa das coisas boas, para eles mesmos e para os outros, está só nele. A oração não é feita para nos exaltarmos diante de Deus, nem para que seja apreciado o que há em nós, mas para confessarmos a nossa miséria e para fazermos sentida lamentação de tudo o que pesa sobre nós, como uma criança faz a seu pai. Ao contrário, pois, de causar temor, o senso de miséria pessoal deve antes ser como uma espora ou como um aguilhão que nos incite à oração.
Como somos advertidos pelo exemplo do profeta, que orou a Deus pedindo-lhe: “Compadece-te de mim, Senhor; sara m…