Pular para o conteúdo principal

Pai Nosso


“Ora, a nosso Deus e Pai seja dada glória para todo o sempre. Amém”.

O pai chama seu filho e ele responde: Já vou! O pai pacientemente chama novamente, e ouve a mesma resposta, passado alguns minutos, o filho começa a gritar, o pai corre para o quarto, ouve o choro do guarda-roupa, abrindo a porta, visualiza o menino em prantos e desconsolado, que se atira nos braços do seu resgatador. O filho conta que havia se escondido quando ouviu a voz do pai, mas sentiu-se preso quando não conseguiu sair.
Fatos assim e outros mais, acontecem no dia a dia das famílias, muitas vezes os filhos, não atendem o chamado dos pais, são resistentes, demoram em responder, mas são ágeis em pedir socorro quando estão em apuros. Isto tudo enobrece o papel de um pai de família, faz deste simples mortal um herói. Mas todos sabem que na vida real não é fácil ser herói, tem que estar presente com os filhos, acompanhar o seu aprendizado e ajudá-los em suas tarefas, precisa prover recursos para manter o sustento da casa e dos estudos, ser amigo, referência no lar para mostrar o amor exigente e disciplinar, é necessário dar o colo, abraçar, beijar, sorrir e chorar, enfim, ser pai.
Lembro que acordava de madrugada e chamava meu pai para ir ao banheiro, ele atendia o meu chamado, levantava e aguardava até eu retornar para a cama, depois o protetor, retornava para seu descanso. Mas, costumeiramente, era demorado em responder aos seus chamados.
Muito semelhante ao que acontece com o nosso relacionamento com Deus, deixamos ou demoramos em responder o seu chamado, mas quando estamos em apuros gritamos desesperados pelo seu auxílio e proteção. Jesus nos apresentou Deus como Pai, que está conosco no dia a dia, com o sustento, perdão, fortalecimento e proteção. Devemos honrar o nosso pai sanguineo, o nosso Pai celestial e também devemos ser pais honrados, para que deixemos a melhor herança que os filhos podem ter: o exemplo.
Quando lembro o tempo de criança, penso que poderia ter feito muita coisa diferente. O fato é que o nosso relacionamento com Deus é de pai para filhos, eu posso sim, responder prontamente a Deus quando me chamar, não me esconder, obedecer a sua voz, para que no momento em que estiver em dificuldades, não precise gritar por socorro, apenas precisarei falar, pedir..., porque o meu Pai, está do meu lado.
Talvez o seu sentimento seja de quem está preso, pode gritar, chorar, clamar, com toda certeza, o Pai virá em seu encontro, mas depois disto, não se afaste mais de Sua presença, porque somente com Deus você e eu, estaremos realmente seguros.

“E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai”. (Gálatas 4.6)

Pr. Valdomiro Cardoso Filho


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sardes - Igreja Morta

Ser discípulo de Cristo é um privilégio. Saber que Deus nos escolheu para gerar o caráter de Seu Filho em nós e tornar-nos semelhantes a Ele deve encher nosso coração de alegria e santo temor.
Infelizmente, como a Igreja de Sardes que é conhecida como a “Igreja Morta”, alguns se enveredam por esse caminho e se tornam mortos, mesmo frequentando templos, liderando grupos, participando de eventos e outros ritos religiosos.
O processo não é tão complexo. Basta uma decepção com alguém ou alguém (pessoa ou instituição) para ter início a queda ladeira abaixo. O clamar pela intervenção divina, sem resposta, leva a agonia e a decisões precipitadas.
Então a pessoa resolve fazer as coisas pela própria força e concebe o pensamento maligno que suas estratégias são melhores do que as de Deus. Seu coração se enche de soberba a ponto de não poder ser questionada e tudo passa a girar em torno dela. A pedra no túmulo são as máscaras usadas para camuflar erros, para atrair e afastar pessoas, para manter …

A Páscoa que Precisamos

“Expurgai o fermento velho, para que sejais massa nova, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, já foi sacrificado.” (1 Coríntios 5.7)

A festa da Páscoa é a comemoração cristã mais antiga, é o evento principal do cristianismo e isto é devido a termos nela envolvida a Paixão de Cristo, sua Crucificação e Ressurreição. Páscoa é o “Domingo dos Domingos” para os cristãos, mas a sua marca foi adotada por Jesus através da tradição judaica, pois a Páscoa para o judeu era uma ordenança do Antigo Testamento, onde temos a libertação do povo do Egito e sua caminhada para a Canaã. Nesse evento a lembrança é um tempo de sofrimento e escravidão egípcio e ainda o grande livramento da morte dos primogênitos daqueles que tinham o sangue do carneiro sobre o umbral de suas casas. O grande livramento e libertação que o povo judeu teve, ficou marcado na sua história e Deus estabeleceu a Páscoa judaica para que eles se lembrassem deste episódio e permanecessem firmes nos propósitos divinos…

Porque Oramos?

Os crentes não oram com a intenção de informar a Deus a respeito das coisas que ele desconheça, ou para incitá-lo a cumprir o seu dever, ou para apressá-lo, como se ele fosse relutante. Pelo contrário, eles oram para que assim possam despertar-se e buscá-lo, e assim exercitem sua fé na meditação das suas promessas, e aliviem suas ansiedades, deixando-as nas mãos dele; numa palavra, oram com o fim de declarar que sua esperança e expectativa das coisas boas, para eles mesmos e para os outros, está só nele. A oração não é feita para nos exaltarmos diante de Deus, nem para que seja apreciado o que há em nós, mas para confessarmos a nossa miséria e para fazermos sentida lamentação de tudo o que pesa sobre nós, como uma criança faz a seu pai. Ao contrário, pois, de causar temor, o senso de miséria pessoal deve antes ser como uma espora ou como um aguilhão que nos incite à oração.
Como somos advertidos pelo exemplo do profeta, que orou a Deus pedindo-lhe: “Compadece-te de mim, Senhor; sara m…