Pular para o conteúdo principal

Invisibilidade Pública!


“Porque o necessitado não será esquecido para sempre, nem a expectação dos pobres perecerá perpetuamente.” Salmos 9:18
 O psicólogo social Fernando Braga da Costa vestiu uniforme e trabalhou durante oito anos como gari, varrendo ruas da Universidade de São Paulo, em sua tese de mestrado, pela USP, comprovou a existência da invisibilidade pública. Ele declara: “percebi que um simples bom dia, que nunca recebi como gari, pode significar um ‘sopro de vida’ um ‘sinal da própria existência’. O pesquisador sentiu na pele o que é ser tratado como um objeto, constatando uma percepção humana totalmente prejudicada e condicionada à divisão social do trabalho, nesta situação enxerga-se somente a função e não a pessoa. Muitos esbarravam em seu ombro e nem sequer se desculpavam, em locais onde outrora seus colegas e professores, paravam para conversar com ele, agora ninguém o reconhecia. No início Fernando teve uma sensação muito ruim, sentiu o seu corpo tremer como se ele não o dominasse, sentiu uma angústia, dores de cabeça, almoçava e não sentia o sabor da comida.
Refletindo sobre esta matéria me perguntei se alguma vez fiz questão de cumprimentar os coletores de lixo que de forma profissional e rotineira, vem à minha casa. Como seria para essas pessoas se de vez em quando os esperássemos com uma jarra de água gelada e oferecêssemos para elas, como gesto de gratidão pelo bem que a sua profissão nos faz. E quanto ao frentista do posto de gasolina? Da operadora de caixa do supermercado? Do garçom, recepcionista, vendedor, etc. A impressão que fica, é que essas pessoas são máquinas humanas, que servem funcionalmente a uma sociedade superficial e individualista, que prefere os numerosos contatos nas redes sociais em detrimento de um “bom dia” ao seu próximo.
Muitas vezes estamos em nossos ‘guetos relacionais’, onde conversamos, rimos convidamos para jantares, passeios, perguntamos como foi a semana, mas não atentamos ao estranho, que teria como expectativa uma simples pergunta: “qual o seu nome?”, ou uma pequena afirmação: “que bom que você está aqui”.
O ministério de Jesus foi marcado pela pessoalidade com que tratava as pessoas e como o Mestre se interessava por elas, mesmo no meio de uma multidão percebeu o toque de uma mulher que buscava desesperadamente a solução para o seu problema, conversou com uma samaritana oferecendo para ela a água da vida e demonstrando um profundo conhecimento da sua realidade. Ló percebeu estranhos numa praça e os acolheu em sua casa, Boaz notou e favoreceu a estranha que trabalhava em sua lavoura.
Que a nossa oração seja: Senhor abre os meus olhos para que eu possa ver as pessoas como pessoas, o estranho como amigo, o necessitado como parente, tire de nós a indiferença e quando estiver com os amigos que eu olhe em volta para perceber aquele que está só.

Rev. Valdomiro Cardoso Filho
"Vivendo por Cristo, pela graça e no amor de Deus!"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sardes - Igreja Morta

Ser discípulo de Cristo é um privilégio. Saber que Deus nos escolheu para gerar o caráter de Seu Filho em nós e tornar-nos semelhantes a Ele deve encher nosso coração de alegria e santo temor.
Infelizmente, como a Igreja de Sardes que é conhecida como a “Igreja Morta”, alguns se enveredam por esse caminho e se tornam mortos, mesmo frequentando templos, liderando grupos, participando de eventos e outros ritos religiosos.
O processo não é tão complexo. Basta uma decepção com alguém ou alguém (pessoa ou instituição) para ter início a queda ladeira abaixo. O clamar pela intervenção divina, sem resposta, leva a agonia e a decisões precipitadas.
Então a pessoa resolve fazer as coisas pela própria força e concebe o pensamento maligno que suas estratégias são melhores do que as de Deus. Seu coração se enche de soberba a ponto de não poder ser questionada e tudo passa a girar em torno dela. A pedra no túmulo são as máscaras usadas para camuflar erros, para atrair e afastar pessoas, para manter …

A Páscoa que Precisamos

“Expurgai o fermento velho, para que sejais massa nova, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, já foi sacrificado.” (1 Coríntios 5.7)

A festa da Páscoa é a comemoração cristã mais antiga, é o evento principal do cristianismo e isto é devido a termos nela envolvida a Paixão de Cristo, sua Crucificação e Ressurreição. Páscoa é o “Domingo dos Domingos” para os cristãos, mas a sua marca foi adotada por Jesus através da tradição judaica, pois a Páscoa para o judeu era uma ordenança do Antigo Testamento, onde temos a libertação do povo do Egito e sua caminhada para a Canaã. Nesse evento a lembrança é um tempo de sofrimento e escravidão egípcio e ainda o grande livramento da morte dos primogênitos daqueles que tinham o sangue do carneiro sobre o umbral de suas casas. O grande livramento e libertação que o povo judeu teve, ficou marcado na sua história e Deus estabeleceu a Páscoa judaica para que eles se lembrassem deste episódio e permanecessem firmes nos propósitos divinos…

Porque Oramos?

Os crentes não oram com a intenção de informar a Deus a respeito das coisas que ele desconheça, ou para incitá-lo a cumprir o seu dever, ou para apressá-lo, como se ele fosse relutante. Pelo contrário, eles oram para que assim possam despertar-se e buscá-lo, e assim exercitem sua fé na meditação das suas promessas, e aliviem suas ansiedades, deixando-as nas mãos dele; numa palavra, oram com o fim de declarar que sua esperança e expectativa das coisas boas, para eles mesmos e para os outros, está só nele. A oração não é feita para nos exaltarmos diante de Deus, nem para que seja apreciado o que há em nós, mas para confessarmos a nossa miséria e para fazermos sentida lamentação de tudo o que pesa sobre nós, como uma criança faz a seu pai. Ao contrário, pois, de causar temor, o senso de miséria pessoal deve antes ser como uma espora ou como um aguilhão que nos incite à oração.
Como somos advertidos pelo exemplo do profeta, que orou a Deus pedindo-lhe: “Compadece-te de mim, Senhor; sara m…