Pular para o conteúdo principal

2015: Esperança

Poderíamos dizer com toda certeza que tivemos um tempo de muitas bênçãos e cuidado do Senhor durante este ano. Algumas coisas precisamos recordar para que o nosso coração não se encha de desesperança, desânimo, amargura ou tristeza.
A viúva de Sarepta havia passado por muitas dificuldades de sustento pois havia uma grande fome em todo Israel, ela estava sem alimento e o profeta Elias foi enviado para aquele lugar. Ele providenciou para que ela tivesse o necessário para todo aquele período de seca, mas passando alguns dias seu filho ficou enfermo e ele morreu. A viúva se colocou diante do profeta perguntando: “Que foi que eu te fiz, ó homem de Deus? Vieste para lembrar-me do meu pecado e matar o meu filho?” (1 Reis 17:18). Ela rapidamente esqueceu da misericórdia de Deus em salvá-la da fome.
Precisamos dizer ao nosso coração: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança” (Lamentações 3.21).  Lembrar de quantas vezes neste ano você esteve em dificuldades, das lutas, do   sofrimento,  do   regozijo,  das vitórias, alegrias, enfim, momentos em que você achou que não teria mais saída, momentos em que você achou que estava prestes a conquistar tudo, pois assim você perceberá, que em todas estas circunstâncias, o Senhor se lembrou de você e te sustentou.
A resposta do profeta para aquela mulher foi: “Veja, seu filho está vivo!” (1 Reis 17:23), e ela então recorda novamente a misericórdia divina: “Agora sei que tu és um homem de Deus e que a palavra do Senhor, vinda da tua boca, é a verdade” (1 Reis 17:24).
Quero desafiar você a lembrar deste ano, ressaltando o cuidado de Deus em sua vida e glorificá-lo por todos os momentos vividos.

Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Filipenses 4.12-13)

Rev. Valdomiro Cardoso Filho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sardes - Igreja Morta

Ser discípulo de Cristo é um privilégio. Saber que Deus nos escolheu para gerar o caráter de Seu Filho em nós e tornar-nos semelhantes a Ele deve encher nosso coração de alegria e santo temor.
Infelizmente, como a Igreja de Sardes que é conhecida como a “Igreja Morta”, alguns se enveredam por esse caminho e se tornam mortos, mesmo frequentando templos, liderando grupos, participando de eventos e outros ritos religiosos.
O processo não é tão complexo. Basta uma decepção com alguém ou alguém (pessoa ou instituição) para ter início a queda ladeira abaixo. O clamar pela intervenção divina, sem resposta, leva a agonia e a decisões precipitadas.
Então a pessoa resolve fazer as coisas pela própria força e concebe o pensamento maligno que suas estratégias são melhores do que as de Deus. Seu coração se enche de soberba a ponto de não poder ser questionada e tudo passa a girar em torno dela. A pedra no túmulo são as máscaras usadas para camuflar erros, para atrair e afastar pessoas, para manter …

A Páscoa que Precisamos

“Expurgai o fermento velho, para que sejais massa nova, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, já foi sacrificado.” (1 Coríntios 5.7)

A festa da Páscoa é a comemoração cristã mais antiga, é o evento principal do cristianismo e isto é devido a termos nela envolvida a Paixão de Cristo, sua Crucificação e Ressurreição. Páscoa é o “Domingo dos Domingos” para os cristãos, mas a sua marca foi adotada por Jesus através da tradição judaica, pois a Páscoa para o judeu era uma ordenança do Antigo Testamento, onde temos a libertação do povo do Egito e sua caminhada para a Canaã. Nesse evento a lembrança é um tempo de sofrimento e escravidão egípcio e ainda o grande livramento da morte dos primogênitos daqueles que tinham o sangue do carneiro sobre o umbral de suas casas. O grande livramento e libertação que o povo judeu teve, ficou marcado na sua história e Deus estabeleceu a Páscoa judaica para que eles se lembrassem deste episódio e permanecessem firmes nos propósitos divinos…

Porque Oramos?

Os crentes não oram com a intenção de informar a Deus a respeito das coisas que ele desconheça, ou para incitá-lo a cumprir o seu dever, ou para apressá-lo, como se ele fosse relutante. Pelo contrário, eles oram para que assim possam despertar-se e buscá-lo, e assim exercitem sua fé na meditação das suas promessas, e aliviem suas ansiedades, deixando-as nas mãos dele; numa palavra, oram com o fim de declarar que sua esperança e expectativa das coisas boas, para eles mesmos e para os outros, está só nele. A oração não é feita para nos exaltarmos diante de Deus, nem para que seja apreciado o que há em nós, mas para confessarmos a nossa miséria e para fazermos sentida lamentação de tudo o que pesa sobre nós, como uma criança faz a seu pai. Ao contrário, pois, de causar temor, o senso de miséria pessoal deve antes ser como uma espora ou como um aguilhão que nos incite à oração.
Como somos advertidos pelo exemplo do profeta, que orou a Deus pedindo-lhe: “Compadece-te de mim, Senhor; sara m…