2015: Esperança

Poderíamos dizer com toda certeza que tivemos um tempo de muitas bênçãos e cuidado do Senhor durante este ano. Algumas coisas precisamos recordar para que o nosso coração não se encha de desesperança, desânimo, amargura ou tristeza.
A viúva de Sarepta havia passado por muitas dificuldades de sustento pois havia uma grande fome em todo Israel, ela estava sem alimento e o profeta Elias foi enviado para aquele lugar. Ele providenciou para que ela tivesse o necessário para todo aquele período de seca, mas passando alguns dias seu filho ficou enfermo e ele morreu. A viúva se colocou diante do profeta perguntando: “Que foi que eu te fiz, ó homem de Deus? Vieste para lembrar-me do meu pecado e matar o meu filho?” (1 Reis 17:18). Ela rapidamente esqueceu da misericórdia de Deus em salvá-la da fome.
Precisamos dizer ao nosso coração: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança” (Lamentações 3.21).  Lembrar de quantas vezes neste ano você esteve em dificuldades, das lutas, do   sofrimento,  do   regozijo,  das vitórias, alegrias, enfim, momentos em que você achou que não teria mais saída, momentos em que você achou que estava prestes a conquistar tudo, pois assim você perceberá, que em todas estas circunstâncias, o Senhor se lembrou de você e te sustentou.
A resposta do profeta para aquela mulher foi: “Veja, seu filho está vivo!” (1 Reis 17:23), e ela então recorda novamente a misericórdia divina: “Agora sei que tu és um homem de Deus e que a palavra do Senhor, vinda da tua boca, é a verdade” (1 Reis 17:24).
Quero desafiar você a lembrar deste ano, ressaltando o cuidado de Deus em sua vida e glorificá-lo por todos os momentos vividos.

Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Filipenses 4.12-13)

Rev. Valdomiro Cardoso Filho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enchendo as Redes (I)

Deus no Controle

Sardes - Igreja Morta