Pular para o conteúdo principal

Igreja de Pérgamo - Esperança na Palavra

“[...] Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois fios:
Conheço as tuas obras, e onde habitas,[...]” Ap 2.12-13



A igreja em Pérgamo tem sido chamada de “A igreja no Quartel-General do Inferno”, ou  “A Igreja dentro do Quintal do Diabo”.  Sabemos que essa congregação enfrentou problemas especiais, Jesus chamou Pérgamo de lugar “onde está o trono de Satanás” e “onde Satanás habita” (2:13).  
“A cidade precisava desesperadamente de Cristo”.

Os cristãos em Pérgamo precisavam ter a certeza do poder do Senhor.   Por isso Jesus descreveu-Se como “aquele que tem a espada afiada de dois gumes” (v. 12b), visto que a Palavra de Deus é citada na Bíblia como uma espada.

Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus”;
(Efésios 6:17)

E essa espada saía da boca de Jesus (1:16; 2:16), como um bisturi nas mãos de um cirurgião habilidoso, a espada da Palavra pode expor o coração visando curá-lo.

“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” (Hebreus 4:12)

Em outras situações, ela pode ser empunhada como instrumento de justiça da parte de Deus.

“Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia”.
(João 12:48)

Jesus queria que os cristãos de Pérgamo soubessem que o poder de Roma não era maior que o Seu. Comparadas com a Sua invencível espada, as espadas dos romanos eram armas desajeitadas e rústicas, feitas por crianças. Eles não deveriam, portanto, se assustar com as armas de Roma, deveriam temer somente a espada de juízo do Senhor (2:16).

Qual tem sido a sua posição dos desafios que tem enfrentado? Confia plenamente no Senhor?

Quero desafiar você a estudar a Palavra de Deus para enfrentar seus problemas.

Rev. Valdomiro
pastornanet.blogspot.com.br



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Páscoa que Precisamos

“Expurgai o fermento velho, para que sejais massa nova, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, já foi sacrificado.” (1 Coríntios 5.7)

A festa da Páscoa é a comemoração cristã mais antiga, é o evento principal do cristianismo e isto é devido a termos nela envolvida a Paixão de Cristo, sua Crucificação e Ressurreição. Páscoa é o “Domingo dos Domingos” para os cristãos, mas a sua marca foi adotada por Jesus através da tradição judaica, pois a Páscoa para o judeu era uma ordenança do Antigo Testamento, onde temos a libertação do povo do Egito e sua caminhada para a Canaã. Nesse evento a lembrança é um tempo de sofrimento e escravidão egípcio e ainda o grande livramento da morte dos primogênitos daqueles que tinham o sangue do carneiro sobre o umbral de suas casas. O grande livramento e libertação que o povo judeu teve, ficou marcado na sua história e Deus estabeleceu a Páscoa judaica para que eles se lembrassem deste episódio e permanecessem firmes nos propósitos divinos…

Quentes, nem frios, muito menos mornos!

“Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente!” (Apocalipse 3.15)
Esta é a sétima igreja, Laodicéia, uma comunidade que recebe algumas advertências, principalmente com relação as suas prioridades. Ela deve querer adquirir valores do Reino de Deus, a começar com arrependimento, reconhecendo que precisa do Senhor...sou miserável, digna de compaixão, pobre, cega, e estou nua. (vv 17b) O apóstolo Paulo faz uma referência semelhante com o conceito que ele tem de si mesmo... “Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal.(1Timóteo 1.15). Esta igreja estava com o “nariz empinado” dizendo: “Estou rica, em tudo sou enriquecida e não preciso de nada” (vv 17a). Muitas pessoas tem posturas semelhantes, tem dificuldades em reconhecer suas falhas, limitações e pecados. Há aqueles que estão totalmente afastados de Deus em seus corações e atitudes (fri…

Porque Oramos?

Os crentes não oram com a intenção de informar a Deus a respeito das coisas que ele desconheça, ou para incitá-lo a cumprir o seu dever, ou para apressá-lo, como se ele fosse relutante. Pelo contrário, eles oram para que assim possam despertar-se e buscá-lo, e assim exercitem sua fé na meditação das suas promessas, e aliviem suas ansiedades, deixando-as nas mãos dele; numa palavra, oram com o fim de declarar que sua esperança e expectativa das coisas boas, para eles mesmos e para os outros, está só nele. A oração não é feita para nos exaltarmos diante de Deus, nem para que seja apreciado o que há em nós, mas para confessarmos a nossa miséria e para fazermos sentida lamentação de tudo o que pesa sobre nós, como uma criança faz a seu pai. Ao contrário, pois, de causar temor, o senso de miséria pessoal deve antes ser como uma espora ou como um aguilhão que nos incite à oração.
Como somos advertidos pelo exemplo do profeta, que orou a Deus pedindo-lhe: “Compadece-te de mim, Senhor; sara m…