Pular para o conteúdo principal

Mulheres Invisíveis


No dia 08 de março comemora-se o Dia Internacional da Mulher. Escrevo este texto em homenagem às mulheres de todas as idades, etnias, e de todos os lugares do mundo.
É quase certo que todos nós conhecemos alguma mulher chamada Maria, já que este é um nome bastante comum em várias partes do mundo, sejam conhecidas como: Maria, Marie, Mary, “Ô Dona Maria”, etc.
Na Bíblia, Maria é um nome que aparece várias vezes, exemplo:1- Maria, mãe de Jesus, 2-Maria Madalena, que foi perdoada e salva por Jesus, tornando-se grande seguidora dEle (Mt. 27:56, 28:1; Mc. 15:40). 3- Maria de Betânia, irmã de Marta e Lázaro (Lc. 10:39 e 42; Jo. 11:1). 4- Maria mãe de Tiago (Mc. 15:40,47; 16:1; Lc. 24:10). 5- Maria Mãe de João Marcos: (At. 12:12; Cl. 4:10). 6- Maria, discípula Romana (Rm.16:6).
Hoje, apresento-lhes uma “mulher invisível”, que poderia viver em qualquer lugar do mundo. Mulheres “invisíveis” são aquelas que fazem coisas indispensáveis, importantes, mas que, quase sempre, a sociedade não percebe, nem valoriza, elas vivem nos “bastidores da vida”. Trata-se de MARIA PEQUENA, personagem de um poema da poetisa Flora Thomé, do qual transcrevo alguns versos: Maria Pequena: Pequena só no nome... / Sua vida, / um labirinto / de espanto e incerteza, / vagava entre abismos! // Coragem e vontade/ feita de pedra das rochas... / Fez da vida / um instrumento de sacrifícios / num horizonte / que mediava / entre o surdo e o breve / à missão que se lhe impôs! // Numa casa de farrapos / passou a vida / a recolher vidas inocentes, / errantes / e de crenças ulceradas! // E em um vale / de miséria e aflição humana, / essa figura de orvalho / gastou a vida / numa luta permanente! // A Grande Maria Pequena / possuía coração de passarinho... (Flora Thomé, Retratos, 1993, poema 8).
Maria Pequena era casada com um ferroviário. Não tinha filhos, mas, sentindo na alma a angústia da criança carente e sem lar, fundou, em Três Lagoas-MS, o Asilo Poço de Jacó. Com dificuldades, dedicou a vida a ajudar ao próximo, principalmente às crianças órfãs.
Maria Pequena era pequena só no nome, sua grandeza de alma e nobreza de espírito manifestavam-se através de suas atitudes. A determinação de Maria Pequena diante dos obstáculos que se interpunham entre ela e sua missão é descrita como “Coragem e vontade / feita de pedra das rochas... / De pedra pisada”. Apesar de pedra, pisoteada, discriminada, era decidida. “Fez da vida”, ela se fez sujeito de sua existência, não optou nem se contentou em se tornar Maria franzina, Maria Fraquinha, Maria Sensível, Maria Doente, Maria Excluída, Maria Vítima, Maria Inútil, Maria zero à esquerda.
Mesmo não tendo muitos recursos materiais, “Numa casa de farrapos”, como em um vale de ossos secos de esperança, de vidas inocentes e errantes, a vida de Maria Pequena caía como orvalho, como pequeninas gotas a aliviar as dores de vidas frustradas, estragadas, dos farrapos humanos por ela resgatados e regados com sua chuva miudinha, orvalho, de Maria pequenina, capaz dar origem ao Abrigo Poço de Jacó. E Foi à beira do poço de Jacó que Jesus se sentou e conversou com uma mulher samaritana, discriminada pelos judeus tanto por sua etnia quanto pela condição de adúltera, que fora tirar água (JOÃO 4.6-15). Lá, Jesus lhe ofereceu da água da vida.
 No Abrigo Poço de Jacó, Maria Pequena oferecia um pouco de água, como os goles que Jesus desafiou seus seguidores a darem aos pequeninos, a sedentos e famintos marginalizados que buscavam abrigo, pequeno gesto obedecido pela grande Maria Pequena, que era livre e com seu coração de passarinho, alimentou filhotes que não eram de sua ninhada.
Podemos ser “invisíveis” aos olhos do mundo, porém notáveis aos olhos do pai.
“Quanto aos fiéis que há na terra, eles é que são os notáveis nos quais tenho todo o meu prazer”. (Salmos 16:3)



Daura Del Vigna Galvão
Diaconisa IPI Betesda/Mestre em Literatura e Estudos Culturais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sardes - Igreja Morta

Ser discípulo de Cristo é um privilégio. Saber que Deus nos escolheu para gerar o caráter de Seu Filho em nós e tornar-nos semelhantes a Ele deve encher nosso coração de alegria e santo temor.
Infelizmente, como a Igreja de Sardes que é conhecida como a “Igreja Morta”, alguns se enveredam por esse caminho e se tornam mortos, mesmo frequentando templos, liderando grupos, participando de eventos e outros ritos religiosos.
O processo não é tão complexo. Basta uma decepção com alguém ou alguém (pessoa ou instituição) para ter início a queda ladeira abaixo. O clamar pela intervenção divina, sem resposta, leva a agonia e a decisões precipitadas.
Então a pessoa resolve fazer as coisas pela própria força e concebe o pensamento maligno que suas estratégias são melhores do que as de Deus. Seu coração se enche de soberba a ponto de não poder ser questionada e tudo passa a girar em torno dela. A pedra no túmulo são as máscaras usadas para camuflar erros, para atrair e afastar pessoas, para manter …

A Páscoa que Precisamos

“Expurgai o fermento velho, para que sejais massa nova, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, já foi sacrificado.” (1 Coríntios 5.7)

A festa da Páscoa é a comemoração cristã mais antiga, é o evento principal do cristianismo e isto é devido a termos nela envolvida a Paixão de Cristo, sua Crucificação e Ressurreição. Páscoa é o “Domingo dos Domingos” para os cristãos, mas a sua marca foi adotada por Jesus através da tradição judaica, pois a Páscoa para o judeu era uma ordenança do Antigo Testamento, onde temos a libertação do povo do Egito e sua caminhada para a Canaã. Nesse evento a lembrança é um tempo de sofrimento e escravidão egípcio e ainda o grande livramento da morte dos primogênitos daqueles que tinham o sangue do carneiro sobre o umbral de suas casas. O grande livramento e libertação que o povo judeu teve, ficou marcado na sua história e Deus estabeleceu a Páscoa judaica para que eles se lembrassem deste episódio e permanecessem firmes nos propósitos divinos…

Porque Oramos?

Os crentes não oram com a intenção de informar a Deus a respeito das coisas que ele desconheça, ou para incitá-lo a cumprir o seu dever, ou para apressá-lo, como se ele fosse relutante. Pelo contrário, eles oram para que assim possam despertar-se e buscá-lo, e assim exercitem sua fé na meditação das suas promessas, e aliviem suas ansiedades, deixando-as nas mãos dele; numa palavra, oram com o fim de declarar que sua esperança e expectativa das coisas boas, para eles mesmos e para os outros, está só nele. A oração não é feita para nos exaltarmos diante de Deus, nem para que seja apreciado o que há em nós, mas para confessarmos a nossa miséria e para fazermos sentida lamentação de tudo o que pesa sobre nós, como uma criança faz a seu pai. Ao contrário, pois, de causar temor, o senso de miséria pessoal deve antes ser como uma espora ou como um aguilhão que nos incite à oração.
Como somos advertidos pelo exemplo do profeta, que orou a Deus pedindo-lhe: “Compadece-te de mim, Senhor; sara m…